Em alguns anos, a cena mudou completamente: em vez de clientes, restaurantes e shoppings têm recebido cada vez mais motoboys. O mercado de delivery experimenta um “boom” que gerou mais de US$ 1,5 bilhão (R$ 5,69 bilhões) em aportes financeiros aos dois principais aplicativos de entrega desde novembro de 2018.

Na opinião de Andreas Blazoudakis, CEO do Delivery Center, esse será o cenário no futuro próximo. “O desafio é bem grande. É um mercado que deve movimentar R$ 1 trilhão nos próximos três anos”, afirmou em palestra no Fórum E-Commerce Brasil 2019.

O CEO participou da criação de 17 startups em toda sua carreira. Ele explica que a forma como o consumidor quer receber seus produtos mudou completamente. E para essa experiência ser espetacular, a integração de todo ecossistema é o maior desafio.

Na sua visão, o fato de lojas online se transformarem em “e-commerces urbanos” vai fazer esse mercado crescer dez vezes nos próximos anos.

Só entre os maiores players do mercado – Mercado Livre, Amazon, Rappi e iFood (empresas que aparecem no slide abaixo) – estão concentrados US$ 4 bilhões (R$ 15 bilhões) investidos nos últimos seis meses, segundo Blazoudakis.

Segredos das companhias

Andreas explicou que as empresas têm estratégias que já são públicas. O segredo para diferenciar uma companhia, é a tática. Para exemplificar, ele deu como exemplo o comércio urbano, das ruas, que não vem do Vale do Silício. “Vem da China e Índia. Isso está deixando as empresas do Vale sem saber o que está acontecendo”.

Esse mercado vai catapultar a penetração de E-Commerce, ele acredita. “Na Avenida Faria Lima, em São Paulo, se vê Patinetes, UBER, 99, iFood, Rappi… Todo mundo vivendo aquela economia compartilhada. O que eles estão fazendo? Estão fazendo e-commerce. Eles são a nova geração das empresas de e-commerce. O E-Commerce Urbano.”

Ele afirma que esse tipo de negócio, como o do Delivery Center, não é novo. Isso já existe na China e na Índia. Lá se faz o Delivery de foods & Goods e de CDs e de Centros Urbanos na mesma plataforma. O Alibaba entrega, por exemplo, cerca de 20 milhões de delíverys de comida por dia”, diz Andreas.

O que acontece quando você integra os deliverys? De acordo com o CEO, é possível entregar um tênis a preço e prazo de Hambúrguer. Essa tendência vai transformar as empresas de E-Commerce em Fintechs. No final da história, tudo vai girar em torno dos pagamentos.