Serviço da Amazon para os lojistas chamado Amazon’s Marketplace Growth garante atendimento com um gerente de contas para a solução dos problemas dos lojistas de marketplace da Amazon. O serviço, no entanto, tem um custo alto: US$ 5 mil por lojista.

De acordo com uma matéria publicada pelo Washington Post, muitos vendedores se sentem frustrados pela necessidade de contratar o serviço. Segundo depoimento deles, o foco da empresa deixou de ser o atendimento exclusivo e satisfação dos clientes e tornou-se o lucro da Amazon.

O serviço Prime requer que os lojistas usem os centros de distribuição da própria Amazon para agilizar as entregas. No entanto, o faturamento deles tem caído em virtude da cobrança para um bom posicionamento dentro da plataforma, como a entrega rápida, o serviço de gerente de contas e a compra de anúncios para bom posicionamento.

Uma pesquisa da Feedvisor aponta que, nos EUA, os consumidores pesquisam antes dentro da Amazon do que no próprio Google. Dos que compraram na plataforma nos últimos 24 meses, dois terços iniciaram suas pesquisas dessa maneira. Sendo assim, ter um bom posicionamento na plataforma garante a sobrevivência dos vendedores.

Lucro da Amazon nos EUA

Além disso, a Amazon hoje corresponde a 37,7% das vendas do e-commerce norte-americano, sendo o maior varejista online do momento, de acordo com o eMarketer. Para os lojistas que atuam dentro do marketplace, essa visibilidade é positiva, mas vem com os custos embutidos pela plataforma. Para muitos vendedores, as vendas na Amazon correspondem a 75% do faturamento anual nos Estados Unidos.

As taxas que permanecem com a Amazon também são altas: para cada dólar gasto pelos consumidores do marketplace, 30 centavos de dólar voltam para o bolso da empresa. Os motivos apontado são comissões, publicidade, acordo de gerenciamento de compras, entre outros. Essas informações foram concedidas por James Thomson, ex gerente de desenvolvimento da empresa.

A Amazon, assim como demais grande empresas do mercado norte-americano, está sendo investigada pelas autoridades. Entre outros motivos, questiona-se violação de leis antitruste e abuso de posição de dominância no mercado.

Marca própria

Atualmente, muitos lojistas se assustam com a crescente quantidade de produtos comercializados pela própria Amazon. Muitos deles, inclusive, são de marcas autorais da plataforma e estão ficando mais diversos. De acordo com os vendedores, a Amazon tem coletado durante anos informações de consumo do marketplace para selecionar os melhores produtos para vender de maneira independente.

Os vendedores alegam que a vantagem da marca autoral é injusta e prejudica seu rankeamento. A empresa se defendeu alegando que usa mecanismos de classificação, como “melhor produto” para escolher os lojistas que aparecem na frente. Além disso, oferece a opção de pagamento para publicidades para melhorar a visibilidade.